fb

Marketing e vendas

4 min de leitura

5 erros que impedem o varejo de lucrar mais com trade marketing

Muitos varejistas ainda não atingiram um nível alto de maturidade para olhar o trade como ferramenta estratégica de crescimento na forma de colaboração com o fornecedor. O compartilhamento dos conhecimentos, cases de sucesso e técnicas desenvolvidas serão os catalisadores para o crescimento da área

Gabriel Menezes

04 de Setembro

Compartilhar:
Artigo 5 erros que impedem o varejo de lucrar mais com trade marketing

Diferente da indústria, que sempre teve o concorrente muito próximo — na prateleira ao lado — , o varejo levou um pouco mais de tempo para sentir essa dor e surgir a necessidade de investir em uma área dedicada ao trade marketing. A busca pela diferenciação e atenção do shopper era e ainda é, para a indústria, uma questão de sobrevivência. Com a necessidade de profissionalizar seus processos em meio a um cenário cada vez mais competitivo, o trade começou a emergir também no varejo, conquistando cada vez mais espaço dentro das redes.

No entanto, muitos varejistas ainda não atingiram um nível alto de maturidade para olhar o trade como ferramenta estratégica de crescimento na forma de colaboração com o fornecedor. Tradicionalmente, o modus operandi do varejo sempre teve um enfoque muito mais transacional, buscando sempre as melhores condições de compra e venda, e a verba de trade marketing acabava sendo vista como um meio para compensar o resultado e fechar números. Nos últimos tempos, os varejistas perceberam que um trade dedicado, baseado em ações estratégicas e bem planejadas junto aos fornecedores, ajuda também a mexer o ponteiro de vendas.

Entretanto, mesmo entendendo a importância de ter pessoas dentro da estrutura olhando para isso, alguns erros comuns podem travar o desenvolvimento de uma área de trade marketing no varejo. Listo aqui os cinco erros mais comuns que tenho notado na experiência e trocas com o mercado.

1. Cultura de liderança presa ao passado

O varejo é um setor bastante tradicional, e, para adicionar mais um desafio, muitas redes regionais possuem uma estrutura de alta gestão familiar, acostumadas a resolver os problemas da mesma forma que sempre resolveram e que as fizeram chegar até onde chegaram. No entanto, o varejo mudou muito e está cada vez mais competitivo. Entender esse novo cenário é o primeiro passo para compreender a importância de investir em uma área nova.

2. Não profissionalizar o time

Em muitas empresas, a área de trade marketing não conta com pessoas dedicadas ao seu desenvolvimento ou tem equipes muito reduzidas, mesmo em redes com muitas lojas. É possível que pequenos varejistas comecem com uma pessoa onde uma de suas atividades é o trade, mas o fundamental é profissionalizar o time e apostar na contratação de pessoal qualificado.

3. Não comprovar resultados

O ferramental para o trade conseguir comprovar os resultados de suas ações ainda é pouco ou inexistente, e esse cenário só irá mudar conforme a área tiver mais recursos para investir no desenvolvimento de tecnologias.

4. Não investir em tecnologia

Contar com o suporte de softwares que auxiliem na tomada de decisões é essencial. É muito comum, por exemplo, que os varejistas não tenham uma visão global da quantidade de pontos promocionais e áreas que podem ser negociadas com a indústria. Ou muitos acabam fazendo a gestão em planilhas que não permitem um controle automatizado, que não comprovam a execução ao fornecedor e, ainda, causam overbooking.

5. Esperar resultados imediatos

Como toda área que nasce, é importante saber que terá um tempo de maturação até que se consiga desenvolver um fluxo de trabalho ideal, em que as atividades individuais e os processos estejam maduros e, enfim, conseguir destravar a sua verdadeira potência. O bolso da indústria para investir em ações de trade marketing é bilionário, e entender como buscar esses recursos e aplicá-los da melhor forma é o que pode fazer uma loja se diferenciar da sua concorrente mais próxima.

Sabemos que, para muitos, a área de trade marketing no varejo ainda está numa fase inicial e com muitas frentes a evoluir, principalmente no que diz respeito a ferramentas de gestão e visibilidade dos resultados das ações negociadas, bem como na sensibilização da alta gestão de um setor, reconhecidamente tradicional, de que o mercado mudou. Tudo isso exige a adoção de novas formas para resolver problemas que antes não existiam.

O início desse trabalho é desafiador. O momento é de ganhar espaço, trabalhar forte em conjunto com o cliente e com as áreas internas mais próximas como marketing e compras. Como a disciplina de trade para o varejo está em construção, o compartilhamento dos conhecimentos, cases de sucesso e técnicas desenvolvidas serão os catalisadores que irão permitir que a cada ano que passe essa área dê seu salto de maturidade.

Compartilhar:

Autoria

Gabriel Menezes

Gabriel Menezes é chief R&D officer da Involves.

Artigos relacionados

Imagem de capa Lojas físicas brilham mais quando oferecem o que é impossível comprar online

Marketing e vendas

31 Maio | 2024

Lojas físicas brilham mais quando oferecem o que é impossível comprar online

De tempestades de neve virtuais a armários dourados, as lojas físicas que realmente se destacam focam em experiências inviáveis de se replicar na internet. Conheça cinco táticas que mostram que, sim, há futuro no offline. Basta saber se adaptar – e se destacar

Rob Angell

10 min de leitura

Imagem de capa O pensamento do design e o marketing se encontramAssinante

Marketing e vendas

29 Fevereiro | 2024

O pensamento do design e o marketing se encontram

Conheça abordagem de sete passos que busca unir marketing e design para aprofundar o conhecimento sobre os clientes, entendendo seus comportamentos, atitudes e valores, além de segmentá-los melhor e gerar mais valor para os negócios

Socorro Macedo
Imagem de capa Que tal desacelerar o processo de compra online?Assinante

Marketing e vendas

19 Dezembro | 2023

Que tal desacelerar o processo de compra online?

Muita gente faz de tudo para descomplicar a experiência digital dos clientes. Mas estudos mostram que, em vez disso, pode ser uma boa ideia apostar em deixar o processo um pouco mais lento. Sim, a desaceleração às vezes aumenta a satisfação do consumidor. Veja como

Marco Bertini, Diego Aparicio e Aylin Aydinli