fb

Inovação

4 min de leitura

6 sinais de mudança para o sucesso das empresas (parte 1 de 2)

Visão de futuro, descentralização das decisões e aposta em propósitos sustentáveis são algumas das características das organizações preparadas para enfrentar o mundo BANI

Rodrigo Oliveira

17 de Novembro

Compartilhar:
Artigo 6 sinais de mudança para o sucesso das empresas (parte 1 de 2)

As empresas podem reinventar o próprio futuro ao abraçar mudanças positivas. É o que sugere o estudo Business Futures 2021: Sinais de Mudança, desenvolvido pela Accenture. A pesquisa é uma maneira de ajudar os líderes a se prepararem melhor para o porvir. Isto é, capacitá-los para identificar os sinais de mudança que vão remodelar as organizações globalmente.

Como resultado, a Accenture espera impulsionar o sucesso das empresas no presente e no futuro. “O primeiro passo é superar a dificuldade de aceitação. Os algoritmos nem sempre dão a resposta que os executivos gostariam. Nem mesmo aquilo que o feeling consegue prever”, diz Rodolfo Eschenbach, líder de strategy & consulting na Accenture para a América Latina. “É importante abraçar essa realidade para começar a tomar decisões certeiras.”

Como se preparar para o futuro dos negócios

Após listar 400 tendências de crowdsourcing, a Accenture se juntou a consultores externos, acadêmicos e pesquisadores para reduzir a relação a 25 sinais de mudança nos negócios. Embora todos os indicadores tenham amadurecido e tendam a apresentar um maior impacto nos próximos três anos, seis sinais parecem imperativos para o sucesso das empresas. Cada um deles carrega oportunidades distintas.

A seguir, você confere três tendências para as organizações future-ready, segundo o estudo produzido pela consultoria. Os outros três sinais serão publicados na segunda parte desta série.

1. Aprender com o futuro

Em vez de buscar insights no passado, as organizações líderes usam data analytics e inteligência artificial (IA) para tomar decisões e definir estratégias que antecipam o futuro. O desenvolvimento de capabilities superiores voltadas à posterioridade constrói melhores cenários para as organizações ficarem à frente.

Eschenbach lembra que o mundo está mudando velozmente e de maneira generalizada. Dessa forma, olhar apenas para o passado, na hora de traçar estratégias de negócios, é um comportamento incompatível com a realidade. Também é preciso acompanhar o ritmo das mudanças do nosso tempo.

“Não se pode confiar cegamente em informações que já foram superadas. Sobretudo, quando o contexto atual é desconsiderado. Além disso, existem mais dados disponíveis do que nunca. Aproveitá-los é a melhor maneira de enriquecer a análise de cenários.”

2. Migrar para a ponta

Os líderes estão respondendo às mudanças e aos desafios ao conceder a tomada de decisão para pessoas que estão nas “pontas”. Para tanto, eles contam com equipes altamente conectadas, com o objetivo de agir com velocidade. Assim, é possível alcançar uma melhor gestão dos riscos associados à fragmentação dos mercados.

A boa notícia é que 71% dos entrevistados pelo levantamento disseram que já descentralizaram a tomada de decisões ou estão planejando fazê-lo. No entanto, um movimento horizontal é necessário. “A tomada de decisão descentralizada não é sinônimo de bagunça. Bem pelo contrário. Tem que fazer sentido para o contexto geral da organização. É por isso que a Accenture recomenda o uso de framings de decisão que dialoguem com o ‘todo’ da companhia”, recomenda Eschenbach.

3. Propósito sustentável

Respondendo ao apelo para que as empresas atendam seus stakeholders de maneira ampla, as organizações estão incorporando a sustentabilidade à estrutura de suas operações – e tornando a responsabilidade social sustentável.

Nesse sentido, o maior desafio é combinar a retórica com resultados. Em outras palavras, harmonizar a intenção e a entrega. Conforme Eschenbach, esse objetivo será alcançado à medida que a organização construir responsabilidade em todo o seu ecossistema.

“As instituições financeiras, por exemplo, começaram a dar dinheiro de uma forma muito mais atrativa para empresas preocupadas com ESG. Essa responsabilidade precisa começar a ser vista como uma forma de diferenciação”, afirma o executivo da Accenture.

É preciso avançar – dentro e fora do Brasil

Eschenbach acredita que as corporações brasileiras ainda têm um longo caminho para elevar a maturidade das operações. Em contrapartida, esse atraso não é uma exclusividade do Brasil. “Não pense que os países de primeiro mundo estão avançando tanto assim. Na Europa, por exemplo, também existem disparidades.”

O executivo reconhece que a pandemia acelerou transformações importantes. Entretanto, a retomada da economia depende da capacidade de resiliência de cada organização. Também precisa haver disposição para mudar. E a tendência é que as empresas mais atualizadas saiam na frente ao priorizar a mentalidade preditiva.

“O estado pronto para o futuro não é uma realidade extensiva em todas as empresas. Mas a gente acredita na aceleração desse processo para os próximos três anos. Quando as empresas mais inovadoras começarem a tomar a liderança, esse movimento virá como uma cascata”, diz Rodolfo Eschenbach, líder de strategy & consulting na Accenture.

O Fórum: Pensamento Digital é uma coprodução de MIT Sloan Review Brasil e Accenture.

Compartilhar:

Autoria

Rodrigo Oliveira

É colaborador de MIT Sloan Review Brasil.

Artigos relacionados

Imagem de capa A transformação digital de companhias fabris deve ser feita em etapasAssinante

Inovação

29 Fevereiro | 2024

A transformação digital de companhias fabris deve ser feita em etapas

Levar empresas industriais à era digital pode ser uma tarefa árdua – dificultada, muitas vezes, pelo uso de indicadores errados para avaliar o processo. Pesquisa revela que obtêm sucesso as organizações que fazem a transformação digital em três etapas, cada uma com métricas próprias. Conheça o método e veja como aplicá-lo

Nitin Joglecar, Geoffrey Parker e Jagjit Singh Srai
Imagem de capa A IA também polui – e a hora de lidar com isso é agoraAssinante

ESG

31 Janeiro | 2024

A IA também polui – e a hora de lidar com isso é agora

Se nada for feito, a inteligência artificial pode se tornar uma das maiores emissoras de carbono da economia global. Mas com boas práticas, estratégias eficientes, conscientização e, claro, maior uso de fontes renováveis de energia, esse quadro pode ser revertido. Veja como agir

Niklas Sundberg
Imagem de capa Digital aproxima serviços de saúde do formato varejistaAssinante

Inovação

31 Janeiro | 2024

Digital aproxima serviços de saúde do formato varejista

Com os avanços da tecnologia e a chegada de pesos-pesados do varejo ao ramo, que as clínicas de varejo vêm despontando para ajudar a deixar o setor de saúde mais dinâmico, integrado, digital e responsivo. Conheça as principais iniciativas, lá fora e no Brasil

Norberto Tomasini
Imagem de capa Comunidades de inovação em saúde: potencializando o efeito de rede

Inovação científica

17 Janeiro | 2024

Comunidades de inovação em saúde: potencializando o efeito de rede

Ecossistemas de inovação dependem de trocas de experiências, colaboração, conectividade e diversidade de talentos para prosperar | por Gustavo Meirelles e Lucas Zarconi

Gustavo Meirelles e Lucas Zarconi

4 min de leitura

Imagem de capa Espiral 5E: inteligência natural para a resolução de problemas complexos

Inovação

23 Novembro | 2023

Espiral 5E: inteligência natural para a resolução de problemas complexos

O processo de transformação contínua da natureza de explorar, visualizar, capacitar, executar e avaliar, tende a ser interrompido no mundo acelerado da atualidade. Mas é fundamental olhar para os outros E’s na espiral, especificamente explorar e visualizar

Katsuren Machado

4 min de leitura

Imagem de capa Use design salutogênico e value-based health care para ambientes de saúde

Inovação

22 Novembro | 2023

Use design salutogênico e value-based health care para ambientes de saúde

Abordagem inovadora cria espaços que promovem e mantêm a saúde e o bem-estar, além de melhorar significativamente a qualidade dos cuidados de saúde e a experiência do paciente. Hospitais, clínicas e similares vêm se beneficiando com a aplicação do design salutogênico e VBHC

Lorí Crizel

3 min de leitura