fb

Sustentabilidade

3 min de leitura

A fragilidade do setor energético europeu

A Alemanha errou ao se tornar tão dependente do gás russo

Colunista Carlos de Mathias Martins

Carlos de Mathias Martins

28 de Setembro

Compartilhar:
Artigo A fragilidade do setor energético europeu

Na hierarquia de gêneros musicais, a ópera figura indiscutivelmente no topo de qualquer ranqueamento que pretenda ser levado a sério, na minha opinião. O chamado teatro lírico comporta massa sonora arrebatadora, inatingível para os gêneros populares tal como o rock, o pop e os ritmos autóctones, incluindo a MPB e seus derivados.

Na hierarquia das óperas, o alemão Richard Wagner reina soberano no panteão dos maiores compositores de todos os tempos. Wagner produziu música de complexidade harmônica e melódica supremas. Os libretos das óperas wagnerianas, de tão intricados e sofisticados, tornam os melhores letristas do pop meros repentistas de quermesse.

A minha ópera wagneriana favorita é Tannhauser, que narra a história do cavaleiro trovador de mesmo nome e trata da redenção dos pecados do humano masculino pelo amor e sacrifício feminino. No terceiro ato, um grupo de peregrinos cristãos retorna de Roma e ao chegar à mítica Germânia, canta em coro: “A graça da salvação é consagrada ao penitente. Ele segue em paz e abençoado por Deus”.

O regulador europeu precisa se arrepender e retroceder

Um sistema é considerado ergódigo quando a probabilidade de ocorrência de um evento para um único indivíduo é a mesma para um grupo de indivíduos. Por exemplo: 100 pessoas jogando cara ou coroa uma única vez obtêm o mesmo resultado de apenas um indivíduo jogando cara ou coroa 100 vezes.

Em contrapartida e por definição, sistemas não-ergódigos impõem ao indivíduo resultados diferentes daqueles observados por um grupo de indivíduos. Por exemplo: 100 apostadores em um cassino jogando dadinho uma única vez obtêm resultado diferente de um único apostador rolando dadinho 100 vezes.

A razão é simples: o apostador solitário viciado em jogatina é levado à falência e, sem dinheiro, não volta ao cassino. Ele simplesmente para de jogar e, portanto, o seu resultado difere daquele observado pelo grupo de 100 apostadores.

Em resumo: sistemas não-ergódigos são subjugados pela sequência dos eventos. Essa característica importante acarreta o chamado risco de ruína.

A transição energética europeia, baseada na descarbonização acelerada da matriz elétrica do continente, e o descomissionamento das plantas de energia nuclear na Alemanha geraram um sistema não-ergódigo. E, no meio do caminho, tinha um Putin.

Não é azar. Segundo o asmodeus vermelho Vladimir Ilyich Lenin, existem décadas em que nada acontece e semanas em que décadas acontecem.

Sistemas não-ergódigos tendem à ruína. É um imperativo da teoria estatística e do estudo das probabilidades. A dependência da Europa (e mais especificamente da Alemanha) do fornecimento de gás natural produzido na Rússia, em substituição ao carvão e à energia nuclear, fragilizou todo o sistema energético do continente.

A risadinha, agora infame, da delegação alemã na assembleia geral da ONU em 2018, durante o discurso premonitório do leviatã laranja virou meme. “A Alemanha vai depender totalmente da energia russa se não mudar de curso imediatamente”, afirmou Donald Trump na ocasião.

Basicamente, enquanto analistas debatem abertamente o racionamento de energia no continente europeu, o sistema elétrico mais sofisticado do globo está amarrado em um barbante. Não estou afirmando que o sistema energético europeu irá colapsar por completo. Reguladores europeus e legisladores alemães arrependidos têm dinheiro e poder para consertar esse estrago autoinfligido.

Para tanto, é fundamental que a Alemanha retroceda no descomissionamento das plantas de energia nuclear e volte a queimar carvão por um tempo. Para atingir as metas de redução de emissões de gases de efeito estufa no sistema energético europeu, ela precisa primeiro estar solvente. Vale também esquecer a turba ativista das mídias sociais. Essa não perdoa nunca. Deus perdoa sempre o penitente.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Carlos de Mathias Martins

Carlos de Mathias Martins

Carlos de Mathias Martins é engenheiro de produção formado pela Escola Politécnica da USP com MBA em finanças pela Columbia University. É empreendedor focado em cleantech.

Artigos relacionados

Imagem de capa A importância dos relatórios ESG vai aumentar – e muito

Sustentabilidade

15 Março | 2024

A importância dos relatórios ESG vai aumentar – e muito

Impactos das novas diretrizes de relatórios da UE ultrapassarão as fronteiras da Europa, exigindo que empresas relatem sobre impactos materiais

Brian Tomlinson e Lucy Godshall

9 min de leitura

Imagem de capa A importância do "S" na estratégia ESG

Sustentabilidade

29 Fevereiro | 2024

A importância do "S" na estratégia ESG

Líderes têm o desafio de colocar o pilar social na ordem do dia. Nova pesquisa Latam mostra as oportunidades que começam com os próprios colaboradores

Denise Turco

5 min de leitura

Imagem de capa Como ESG e agressividade tributária influem em valuationAssinante

Sustentabilidade

19 Dezembro | 2023

Como ESG e agressividade tributária influem em valuation

Como o mercado se comporta, simultaneamente, em relação à agressividade tributária e às práticas de sustentabilidade das empresas? Uma análise de empresas listadas na B3 entre 2016 e 2021 sugere que, quanto maior a pontuação em ESG registrada pela organização, mais impostos ela recolhe. Faz parte do perfil dessas empresas evitar riscos fiscais e de reputação desnecessários. Leia o artigo campeão do Prêmio ESG - FAMA Investimentos

Jusceliany Rodrigues Leonel Correa, Valcemiro Nossa, Silvania Neris Nossa e Carlos Eduardo de Freitas
Imagem de capa Um rating ESG de gestores de ativos pode mudar tudoAssinante

Sustentabilidade

19 Dezembro | 2023

Um rating ESG de gestores de ativos pode mudar tudo

Mensurar as ações sustentáveis de uma empresa não é fácil, e isso às vezes acaba abrindo a porteira para o “greenwashing”. Mas é possível estimular que as organizações, de fato, transformem suas culturas e adotem boas práticas de ESG. Uma solução pode ser um novo índice de avaliação para gestores de ativos que leve em conta essa necessária mudança de paradigma. Leia o artigo vice-campeão do “Prêmio ESG - fama re.capital 2023”

Leonardo Augusto Dufloth
Imagem de capa A COP, as lentes e o maior dos dilemas

Sustentabilidade

01 Dezembro | 2023

A COP, as lentes e o maior dos dilemas

A prestação de contas da Conferência do Clima de Dubai, que começou ontem, vai deixar claro: as coisas estão indo mal no combate ao colapso climático e o dilema principal está longe de ter sido enfrentado. Mas acompanhar a COP pode ser útil para acelerar conscientização e mudanças

Viviane Mansi

4 min de leitura