fb

Tecnologia e inovação

3 min de leitura

A inteligência artificial está a favor do trabalho híbrido

As empresas devem enxergar as mudanças da forma de trabalho como uma oportunidade de inovação e o mercado de periféricos e soluções tecnológicas têm contribuído positivamente para a sintonia entre pessoas e empresas

Jairo Rozenblit

28 de Agosto

Compartilhar:
Artigo A inteligência artificial está a favor do trabalho híbrido

Em um futuro próximo, as pessoas vão encontrar a melhor forma de trabalhar? Desde a crise que a pandemia gerou, observamos uma disputa com muitas nuances pelo modelo de trabalho ideal no Brasil.

Algumas empresas querem voltar ao trabalho presencial, enquanto alguns colaboradores se habituaram ao home office. Assim, uma grande massa vem buscando o meio termo: o trabalho híbrido.

De acordo com levantamento da consultoria Gartner, o trabalho híbrido será realidade para 39% dos trabalhadores até o final de 2023. Mas, como as empresas estão atuando para se adequar melhor a essa tendência?

A busca por tecnologia para contribuir com espaços felizes de trabalho é evidente. Observamos uma corrida tecnológica, tanto das empresas que vendem para o mercado, quanto para as que vendem para o consumidor, que tratam o colaborador como o grande protagonista.

Hoje as empresas brasileiras buscam por ambientes de trabalho pensando na saúde mental e física do empregado, sem esquecer também de construir um ambiente acolhedor e agradável de se estar. Seja com design diferenciado ou mesmo com tecnologias avançadas em periféricos.

Observamos ergonomia como uma premissa para diversos produtos — visto que as pessoas passam mais de 41 anos conectadas, o que equivale a 54% do tempo de vida médio da população, segundo levantamento da NordVPN — ou mesmo outras funcionalidades específicas que agradam diversos tipos de profissões quando falamos de tecnologia.

As tecnologias e as novas soluções de mercado contribuem muito para os modelos de trabalho globais. Empresas acabam investindo ainda mais em cases e centros de pesquisas esperando acertar com maestria o que as pessoas precisam para se sentirem felizes no seu espaço colaborativo.

Afinal, durante a pandemia muitas optaram por criar um cantinho de trabalho com conforto e itens que agreguem o ambiente em suas casas. É mais do que trabalhar para produzir, é uma oportunidade de se sentir acolhido e feliz com suas escolhas.

No fim do ano passado, um estudo divulgado pelo Datafolha salientou que 52% dos trabalhadores disseram preferir trabalho remoto ou híbrido, mostrando que os profissionais ainda resistem em voltar ou aceitar ofertas no modelo 100% presencial.

No mercado de periféricos e soluções tecnológicas, incluindo a inteligência artificial (IA), observamos uma constante evolução que contribui positivamente para que a colaboração entre pessoas e empresas esteja em sintonia.

Neste contexto, o desafio para as empresas é criar uma proposta atrativa que faça o trabalho híbrido fluir. Uma das tecnologias com as quais atuo, por exemplo, permite que as empresas tragam o conhecido quadro branco para as salas de reunião com vídeo, incentivando as pessoas, que estão remotas, a participarem ativamente das reuniões. É uma forma de a tecnologia contribuir para a integração que muitos sentem falta no remoto.

Por meio de IA integrada e uma lente personalizada, a tecnologia fornece um efeito de transparência, permitindo que as pessoas vejam “através” do apresentador para ter uma visualização desobstruída do quadro.

Assim como esse tipo de dispositivo de videoconferência, as empresas buscam outros equipamentos integrados com IA para obter com sucesso a sintonia entre o escritório e a atuação remota.

As empresas optando pelo híbrido, o desafio está em disponibilizar um conforto no escritório que muitos adquirem em suas residências. Seja o melhor teclado, o mouse 100% silencioso, a vídeo câmera com alta performance. Enfim, o importante é proporcionar a melhor experiência e conforto possível.

É visível que sabemos que têm muitos fatores que contribuem para as mudanças do estilo de trabalho, mas será que sua empresa está enxergando essas mudanças como uma oportunidade de inovação?

Compartilhar:

Autoria

Jairo Rozenblit

Jairo Rozenblit é CEO da Logitech no Brasil.

Artigos relacionados

Imagem de capa Aceite as limitações dos LLMsAssinante

Tecnologia e inovação

19 Dezembro | 2023

Aceite as limitações dos LLMs

Superestimar a capacidade dos grandes modelos de linguagem, como o ChatGPT, pode levar a resultados pouco confiáveis. Para lidar melhor com eles, é importante entender primeiro como funcionam

Mikhail Burtsev, Martin Reeves e Adam Job
Imagem de capa Open source contra os hackers da IA generativaAssinante

Tecnologia e inovação

19 Dezembro | 2023

Open source contra os hackers da IA generativa

A contratação de serviços de inteligência artificial pode expor seus dados e deixar sua empresa nas mãos das big techs. Mas existem alternativas. Estamos vivendo o início de uma fase semelhante à que deu origem ao Linux nos anos 1990, quando desenvolvedores do mundo todo se dedicaram a enfrentar os desafios da nova tecnologia com soluções de código aberto, disponíveis para todos – e veja cinco modos de administrar os respectivos

Aron Culotta e Nicholas Mattei
Imagem de capa Como aplicar IA generativa na inovação corporativaAssinante

Tecnologia e inovação

17 Dezembro | 2023

Como aplicar IA generativa na inovação corporativa

A nova tecnologia pode trazer eficiência e criatividade para a inovação em grandes empresas. Uma pesquisa recente mostra a realidade brasileira, os estágios de adoção em diversos setores, as oportunidades no horizonte e as barreiras de adoção

Maximiliano Carlomagno e Felipe Scherer
Imagem de capa Gestão pública 4.0: tecnologia para atender as demandas dos cidadãos

Tecnologia e inovação

15 Novembro | 2023

Gestão pública 4.0: tecnologia para atender as demandas dos cidadãos

A transformação digital pode ajudar na revolução da gestão municipal, melhorando a eficiência das instituições e fortalecendo a participação cidadã e a prestação de serviços mais ágeis, a partir dos aplicativos governamentais multiplataformas

Ana Debiazi e Aryana Valcanaia

2 min de leitura