fb

Futuro

3 min de leitura

AC/DC, a nova música da gestão

O que nos trouxe até aqui dificilmente nos levará a 2025. É preciso repensar a forma de atuar e adotar diferentes padrões de negócios, mais alinhados com o contexto, o que exige focar quatro aspectos fundamentais

Colunista Luís Rasquilha

Luís Rasquilha

05 de Junho

Compartilhar:
Artigo AC/DC, a nova música da gestão

Eternizada pelos fãs do rock, a banca australiana, dos irmãos Young, AC/DC teve agora um chamado recall. Não, não lançaram um novo álbum até porque nos últimos anos tiveram alguns problemas de saúde de alguns dos seus integrantes com bastantes mudanças e até mesmo anúncios de término de carreira. Perguntará você: então, por que a banda está sendo aqui citada e até dá nome a este artigo? Porque serve de analogia para os tempos que temos vivido e que já estão sendo classificados de antes da Covid e depois da Covid (AC/DC).

Quem, na virada do ano, em pleno réveillon 2019/2020, poderia prever que alguns meses depois estaria confinado em casa cumprindo regras impostas de quarentena? Poucos, de fato. Mas o que aconteceu foi o que designamos de corte na realidade: em determinado ciclo estável (ou aparentemente estável) um fenómeno inesperado (ou com pouca probabilidade e acontecer) muda o curso da história, obrigando a uma revisão completa e geral dos pressupostos, das regras e das crenças a todos os níveis: sociais, humanos, políticos, económicos, profissionais, etc. 

É nesse contexto que nos vemos hoje enfrentando uma nova e inesperada realidade em que precisamos rever os nossos conceitos de gestão e. principalmente, conceitos de vida, a fim de conseguirmos viver o chamado “novo normal”. Assim, sabendo que todos os negócios e mercados estão enfrentando a mesma realidade e desafio, gostaria de compartilhar quatro grandes ideias/recomendações de como podemos, em nossos negócios, definir algumas prioridades para o futuro para darmos início a essa jornada DC. 

  1. Se não fez ainda, precisa imediatamente desenvolver o que chamamos de jornada do cliente para conhecer em detalhe quem ele é, quais as suas opiniões, necessidades, anseios e desejos para conseguir definir corretamente uma estratégia de relacionamento e futura venda.
  2. A transformação digital já tinha chegado, mas poucos se tinham apercebido dela. Agora ficou clara a sua importância. E quando falamos de transformação digital não falamos apenas de sites ou páginas nas redes sociais estáticas e pouco atualizadas. Falamos de uma completa experiência digital, em todos os pontos de contato e isso obriga a uma abordagem mobile dos negócios considerando o tratamento de informação, o acesso a ela e a forma como ela é utilizada para a gestão das empresas considerando os diversos meios de comunicação;
  3. A experiência, já muitas vezes falada, ainda está bem aquém da sua utilização plena. Se algo ficará claro neste momento é que os clientes procurarão experiências e não produtos. Os negócios deste pós covid que terão sucesso serão aqueles que serão client oriented (orientado por e para clientes) e não product oriented (orientados por e para produtos). E para que isso seja uma realidade é necessária uma completa mudança de mentalidade de gestão.
  4. A nova mentalidade de gestão implica atuar de forma efetiva sobre as crenças e hábitos de atuar que temos adotado até agora. O que nos trouxe até aqui dificilmente nos levará a 2025. Repensar a forma de atuar e adotar diferentes padrões mais alinhados com o contexto passa por entender quais são os cenários atuais e futuros e como eles podem ajudar ou atrapalhar a nossa realidade. E para isso é fundamental a adoção de uma política de educação e capacitação/atualização de colaboradores e todos quantos interagem no nosso ecossistema. 

Para terminar, deixo um convite para o estudo Inova Consulting sobre as tendências pós-Covid-19, que encontra neste link, e que pode ajudar a uma reflexão mais profunda de como ultrapassar de forma vencedora este novo normal.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Luís Rasquilha

Luís Rasquilha

CEO da Inova TrendsInnovation Ecosystem e professor da Fundação Dom Cabral (FDC), Hospital Albert Einstein e Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP).

Artigos relacionados

Imagem de capa O futuro do e-commerce B2B no Brasil

Business content

10 Fevereiro | 2022

O futuro do e-commerce B2B no Brasil

Empresas que investirem no e-commerce B2B serão mais competitivas do que a concorrência, segundo Emanuel Di Matteo, diretor geral da Liferay, em entrevista exclusiva

Larissa Pessi

6 min de leitura

Imagem de capa As estratégias de sobrevivência no mundo pós-pandêmico

Business content

14 Dezembro | 2021

As estratégias de sobrevivência no mundo pós-pandêmico

Estudo da Accenture aponta 12 intervenções necessárias para as empresas construírem uma posição de destaque nos próximos anos

Paulo César Teixeira

4 min de leitura

Imagem de capa Como os ‘consumidores reimaginados’ influenciam as empresas

Futuro

14 Setembro | 2021

Como os ‘consumidores reimaginados’ influenciam as empresas

Pesquisa da Accenture destaca novos hábitos de consumo e prescreve o aprimoramento da experiência como diferencial competitivo

Rodrigo Oliveira

4 min de leitura

Imagem de capa Lynda Gratton fala sobre equidade

Futuro

17 Agosto | 2021

Lynda Gratton fala sobre equidade

Ouça o artigo com três passos importantes, na visão da professora, em busca por mais equidade dentro das organizações

Rafael Gonçalves

0 min de leitura

Imagem de capa Economia circular: exemplos e desafios para a aceleração

ESG

05 Agosto | 2021

Economia circular: exemplos e desafios para a aceleração

Os esforços em direção a uma economia circular estão ganhando tração, principalmente na Europa, onde nos últimos anos as atividades relacionadas à circularidade aumentaram e estão impactando diversas indústrias e mercados

Rafael Gonçalves

7 min de leitura