fbAutocuidado não é só sobre skincare MIT Sloan Review Brasil

Gestão de pessoas

4 min de leitura

Autocuidado não é só sobre skincare

O cuidado pode ser compreendido como um sinal de alerta e ao mesmo tempo um chamado para cuidarmos de nós e de outras pessoas. E quando o mal-estar é coletivo e contagioso, a resposta nunca será apenas um curativo individual

Colunista Grazi Mendes

Grazi Mendes

26 de Maio

Compartilhar:
Artigo Autocuidado não é só sobre skincare

Cuidado. Já pensou sobre o significado dessa palavra? Ou melhor, significados, porque são eles que nos permitem uma primeira reflexão. Cuidado pode ser interjeição, nos advertindo sobre algo que precisamos ter cautela e prudência, ou pode também ser a atenção que se dedica a algo ou a alguém. Esses sentidos podem estar totalmente desconectados um do outro, mas prefiro pensar que eles se complementam. Como se o primeiro passo para cuidar de qualquer coisa fosse um estado de alerta, vigiar os sinais do nosso tempo. E que sinais seriam esses?

Estamos adoecendo. Os sinais estão aí, para todo mundo ver. Remédios, agendas de terapeutas lotadas, crises e doenças de ordem mental. O filósofo coreano Byung-Chul Han afirma que estamos coletivamente sofrendo de hiperconexão. O tempo todo ligados a tudo, acelerados por estímulos e atividades, sem intervalo, sem pausas e, por consequência, esgotados. Esgotados e carentes. Precisando de colo e atenção. Entretanto, quando todo mundo precisa de colo, quem pode oferecer? Num hospital em que todos são pacientes, como encontrar a cura?

Autocuidado na sociedade do consumo

De acordo com pesquisa da MindMiners, 43% das pessoas afirmam cuidarem de si mesmas sozinhas. A busca por autocuidado no Google está no seu nível mais alto nos últimos 12 meses. Virou tema de conversa em família, trocas de experiências entre amigos e uma série de novos hábitos.

Rotina de skincare, aula ou app de meditação, spa, terapia virtual, etc. Toda semana um novo produto é lançado para que as pessoas sejam capazes de cuidar de si mesmas. Hora de dizer: cuidado, porque é aí que mora o perigo.

Quando foi que autocuidado virou sinônimo de app e produto para a pele? Arrisco dizer que a resposta de Ailton Krenak seria algo sobre a obviedade dos “seres do consumo” transformarem tudo em mercadoria. E o sociólogo francês Gilles Lipovetsky certamente concordaria com ele, acrescentando que na sociedade do hiperindividualismo, a obsessão por saúde e a ascensão do ímpeto de cuidar de si é apenas mais uma manifestação. O anseio pela leveza do bem-estar nos leva às compras. Queremos comprar a nossa própria cura.

Acontece que quando o mal-estar é coletivo e contagioso, a resposta nunca será apenas um curativo individual. E nem se encontra em prateleiras. É preciso cuidar de si, mas é preciso se atentar ao outro.

Um circuito em três dimensões

Outro dia, ouvi em um podcast o psicanalista Lucas Liedke dizer que o circuito pulsional completo do cuidado passa por três dimensões. A primeira é cuidar de si mesmo, a segunda é cuidar do outro e a última é saber receber cuidado.

Vamos começar então olhando para nós mesmos. Em artigo para o The New York Times, Adam Grant afirma que estamos experimentando um novo mal nesses tempos pandêmicos: o definhamento. Termo cunhado pelo psicólogo e sociólogo Corey Keyes para definir um estado intermediário, de pessoas que não estão nem deprimidas, nem prosperando. Uma sensação de vazio e estagnação, acompanhadas de ausência de bem-estar.

Para uma condição com tal profundidade, não há solução cosmética. Segundo Grant, o antídoto do definhamento é trabalho significativo, novos desafios e experiências agradáveis. Três ações, num primeiro momento individuais, mas que inevitavelmente envolvem relacionamentos com outras pessoas. E aí podemos partir para uma próxima dimensão – para se cuidar é preciso cuidar de alguém. Não existe saúde mental individual sem atenção à lógica coletiva.

Por isso, dentro das organizações o cuidado precisa ser cultivado no plural. Assim como o definhamento, o burnout – que é preocupação na agenda da maioria das empresas – é também sobre o ambiente de trabalho. Aliás, já existem estudos científicos demonstrando que quando os programas de saúde e bem-estar tem foco apenas nos aspectos individuais, o resultado parece imediatamente bom, mas irrelevante a longo prazo. Daí a importância de nutrir ambientes seguros, fundamentais para a saúde das pessoas e também para a inovação e criatividade. Se você já ouviu falar em segurança psicológica, é exatamente sobre isso.

Amy Edmondson, professora da Harvard Business School, define segurança psicológica como um clima de confiança interpessoal e respeito mútuo, que cria um ambiente em que as pessoas se sentem à vontade de serem elas mesmas, sentem que podem assumir riscos e serem vulneráveis na frente das outras pessoas.

Um ambiente corporativo seguro não apenas nos permite fechar a tríade de cuidado proposta pelo psicanalista Lucas Liedke – cuidado de si, cuidado dos outros e saber receber cuidado – como também é um dos elementos fundamentais para o desenvolvimento de times de sucesso, segundo o projeto Aristóteles da Google.

Foi pensando em tudo isso que criamos na ThoughtWorks Brasil o Programa Cuidado. E olha, tem sido um grande aprendizado ressignificar essa palavra no dia a dia, compreendendo sua dualidade: nos indicando a necessidade de estarmos alertas e, ao mesmo tempo, dedicando atenção a nós mesmos e às outras pessoas.

A prática do cuidado é uma combinação de compromisso, conhecimento, responsabilidade, respeito e confiança, como bem já disse Bell Hooks. É também uma lente estratégica para as organizações e a ênfase é no coletivo.

RECIPROCIDADE

Estamos vivendo no nosso limite. No entanto, precisamos nos lembrar que existem poucas coisas que ao dar também recebemos, duas delas são: o cuidado e um abraço.

Gostou do artigo de Grazi Mendes? Saiba mais sobre as reflexões do mundo contemporâneo assinando nossas newsletters e ouvindo nossos podcasts na sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Grazi Mendes

Grazi Mendes

Grazi Mendes está como head of diversity, equity & inclusion na ThoughtWorks Brasil, consultoria global de tecnologia, é professora em programas de desenvolvimento de lideranças e cofundadora da Ponte, hub de diversidade e inclusão. Acumula cerca de 20 anos de experiência em gestão estratégica, branding, design estratégico, liderança e cultura, com atuação em empresas nacionais e multinacionais de segmentos diversos.

Artigos relacionados

Imagem de capa Felicidade, o superpoder das pessoas com bom desempenho

Gestão de pessoas

13 Março | 2022

Felicidade, o superpoder das pessoas com bom desempenho

Um amplo estudo descobriu que o nível de felicidade dos indivíduos se reflete diretamente no desempenho no trabalho

Paul B. Lester, Ed Diener e Martin Seligman

14 min de leitura

Imagem de capa Adapte o modo de colaborar ao longo do caminhoAssinante

Gestão de pessoas

13 Fevereiro | 2022

Adapte o modo de colaborar ao longo do caminho

Da ideia inicial ao produto final, a originalidade vai minguando. Como evitar isso? Mudando como e com quem as pessoas trabalham nas várias etapas do processo

Jill E. Perry-Smith
Imagem de capa O surpreendente impacto dos dias sem reuniões

Gestão de pessoas

03 Fevereiro | 2022

O surpreendente impacto dos dias sem reuniões

Muitas organizações estão implementando dias sem reuniões, mas encontrar o equilíbrio semanal ideal requer deliberação

Ben Laker, Vijay Pereira, Pawan Budhwar e Ashish Malik

7 min de leitura