fb

Estratégia

2 min de leitura

Estratégias para o comércio exterior brasileiro: uma discussão para os empresários

Empresariar nesse ambiente exigirá a excelência na gestão dos negócios

Celso Grisi

23 de Janeiro

Compartilhar:
Artigo Estratégias para o comércio exterior brasileiro: uma discussão para os empresários

Há tempos discutem-se estratégias para o comércio exterior brasileiro. As ideias, monotonamente, se repetem em todas as discussões, sem que haja qualquer esforço consequente entre os formuladores de políticas econômicas. O problema ironicamente fica para o empresariado.

Entre as estratégias presentes no cardápio das soluções possíveis para a expansão das exportações nacionais estão três, já tradicionais e bem conhecidas. A primeira, e mais óbvia, refere-se à agregação de valor dos produtos exportados, envolvendo maiores graus de industrialização dos produtos. A segunda, refere-se à diversificação dos mercados, evitando a perigosa concentração de nossas vendas em poucos países. Hoje o mercado asiático, com ênfase nas importações chinesas, esconde um risco quase incomensurável. Por fim, a diversificação da pauta de exportação, ampliando o leque de produtos exportados, como uma nova vertente de crescimento da balança comercial.

Adicionalmente, discutia-se, desde sempre, a necessidade de o Brasil construir suas marcas no exterior. O grande exemplo da ocasião era o café que, exportado em grande quantidade, nunca havia sido contemplado pelo esforço empresarial para construção de uma marca brasileira própria. A ideia subjacente era a de que essa marca poderia, contando com o reconhecimento do mercado internacional, ter seus preços privilegiados em relação à concorrência. Também se cogitou da participação brasileira nos sistemas de distribuição dos países desenvolvidos. Lojas de varejo ou iniciativas conjuntas dos exportadores no estabelecimento distribuidores-atacadistas poderiam ampliar as margens do produtor nacional.

Sem prejuízo do longo tempo em que essas estratégias foram cogitadas, elas fazem muito sentido no momento atual. Entretanto poderiam vir acompanhadas de um pensamento econômico mais contemporâneo, que considerasse os impactos da pandemia, ampliados pela guerra entre Rússia e Ucrânia. Dada a estrutura que o comércio internacional assumiu, com a fragmentação dos mercados e da produção, e com a ampliação das trocas intergrupos, dentro ou fora de suas cadeias produtivas, as estratégias de internacionalização das empresas nacionais, e de suas inserções nestas cadeias, devem ser definitivamente implementadas. Estas cadeias avaliam neste instante a relocalização de alguns de seus elos em decorrência de problemas geopolíticos e de seus impactos na segurança de seus suprimentos.

A segurança torna-se tão relevante nesta relocalização, quanto às avaliações dos custos de produção e transportes. Uma oportunidade nova e atraente para as empresas nacionais dispostas a assumir os riscos da internacionalização. Vale lembrar que para isso são exigidas certificações de produtos e processos, investimentos em tecnologia, hedge para seus ativos e passivos, disposição para prática de preços a partir das economias de escala e, sobretudo, a excelência na prestação de serviços complementares. De alguns anos para cá, o comércio exterior conta com um percentual não desprezível de serviços, de toda a natureza.

Os desafios são grandes e os riscos serão multiplicados. Empresariar neste ambiente exigirá a excelência na gestão dos negócios. O passado não pode ser esquecido, mas apenas o futuro trará a formação de riquezas. O novo governo, como os que o antecederam, terá dificuldade de entender tudo isso e de construir alternativas para apoiar o esforço empresarial.

Compartilhar:

Autoria

Celso Grisi

Celso Grisi é empresário e professor da FIA Business School. Coordena o programa de comércio exterior e atua ativamente em estratégias nacionais e internacionais no mercado econômico.

Artigos relacionados

Imagem de capa Da visão à realidade: como os OKRs estão transformando os objetivos de equipe em 2024

Estratégia

20 Fevereiro | 2024

Da visão à realidade: como os OKRs estão transformando os objetivos de equipe em 2024

Ao adotar objetivos e resultados-chave, organizações conseguem alinhar de forma precisa metas de equipe - e pessoais - com metas mais abrangentes

Benjamin Laker

5 min de leitura

Imagem de capa Monetização de dados é assunto para se discutir estrategicamente

Estratégia

06 Outubro | 2023

Monetização de dados é assunto para se discutir estrategicamente

Não é possível identificar e gerenciar oportunidades de monetização de dados se o tema não for discutido de forma produtiva. Experimente esta abordagem matricial prática

Barbara H. Wixom, Cynthia M. Beath e Leslie Owens

13 min de leitura

Imagem de capa Para uma estratégia eficaz, círculos de resiliência

Estratégia

21 Julho | 2023

Para uma estratégia eficaz, círculos de resiliência

Descobertas nas áreas de neurobiologia e terapia comportamental são aplicadas ao processo de seis etapas, que atuam em diferentes subsistemas neurais ou psicológicos, possibilitando a construção da resiliência e da gestão estratégica dos executivos e líderes nas organizações

Javier S. Casademunt, Fabian Salum e Simon L. Dolan

4 min de leitura

Imagem de capa É possível, para os e-commerces, reduzir as devoluções de compras

Estratégia

02 Março | 2023

É possível, para os e-commerces, reduzir as devoluções de compras

A pesquisa mostra que as devoluções de produtos diminuem quando os clientes recebem pedidos em uma única entrega consolidada

Pedro Amorim, Eduard Calvo e Laura Wagner

7 min de leitura