fb

Sustentabilidade

4 min de leitura

Exploração de petróleo na foz do rio Amazonas: tem alternativa?

É possível que o IBAMA autorize estudos para explorar petróleo na região amazônica. Mas é preciso questionar quais são os impactos ambientais, econômicos e geopolíticos, e se existem alternativas viáveis para o Brasil

Colunista Carlos de Mathias Martins

Carlos de Mathias Martins

03 de Novembro

Compartilhar:
Artigo Exploração de petróleo na foz do rio Amazonas: tem alternativa?

Aposto um pacote de biscoito Globo que o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) irá autorizar a Petrobrás a desenvolver estudos para exploração de petróleo na foz do rio Amazonas. Não tenho acesso a nenhuma informação privilegiada. Sou apenas um profissional que exerce a sua labuta no setor de energia e mudanças climáticas. Caso essa profetizada faça você leitor desejar a morte deste mensageiro, solicito gentilmente que me ajude a responder a três perguntas:

1- Quais evidências você poderia apresentar ao IBAMA para que esta autarquia decida por barrar a exploração de petróleo na foz do rio Amazonas? Eu particularmente não me sinto preparado para rebater um parecer técnico do IBAMA. Sem evidências robustas sobre os prejuízos dessa atividade para o Brasil somos todos palpiteiros. Me apoio na premissa fundamentada de que o corpo técnico do IBAMA irá avaliar o risco sistêmico submetido aos ecossistemas da margem equatorial brasileira. Obviamente o IBAMA opera a partir das limitações em que órgãos de estado estão subjugados no capitalismo de compadrio brasileiro. Espero, entretanto, que o governo federal e os governos estaduais da região exerçam as prerrogativas conferidas pelos eleitores brasileiros para que o princípio da precaução seja observado e para que o juramento de Hipócrates de primum non nocere et in dubio abstine (em primeiro lugar, não causar o mal e, em dúvida, abstenha-se de intervir, na tradução para o português) seja aplicado ao parecer técnico do licenciamento ambiental. Por fim, acredito que os efeitos de segunda ordem na economia da região e do País, diretamente atribuídos à exploração de petróleo na foz do rio Amazonas, serão cotejados ante os evidentes riscos ambientais elencados por jornalistas, especialistas e palpiteiros.

2 - Qual o custo para a sociedade brasileira em abdicarmos da exploração do petróleo na foz do rio Amazonas? Mais uma vez, não matem o mensageiro, mas o Brasil está se tornando um País petroleiro. No acumulado do ano até o mês de setembro de 2023, o petróleo ocupa a segunda posição no ranking da nossa pauta de exportação, atrás apenas da soja. A rubrica petróleo rendeu mais divisas ao Brasil do que exportações de ferro, açúcar e carne entre outros produtos que compõem o imaginário nacional do País do café e do futebol. De janeiro a setembro de 2023, o Brasil exportou aproximadamente US$ 30 bilhões na rubrica óleos brutos de petróleo ante US$ 46 bilhões na rubrica soja. É fato que perdemos a licença social de desmatamento, mas não me consta que a nossa licença social para explorar petróleo tenha sido negociada no mesmo pacote. O Brasil está encalacrado na armadilha de País de classe média e energia barata é fundamental para equacionar o trade off - ou escolhas contraditórias – entre transição energética e justiça climática que inclua o contingente de brasileiros remediados e empobrecidos.

3 - Qual é a alternativa à exploração de petróleo na foz do rio Amazonas? O mundo consome aproximadamente 100 milhões de barris de petróleo diariamente. O Brasil produz aproximadamente 3 milhões de barris diários e segundo estimativas preliminares, a margem equatorial brasileira que encampa a foz do rio Amazonas tem potencial de produção de 1 milhão de barris por dia. Casualmente, parte deste volume poderia ser eventualmente ofertado pela Ecopetrol, empresa controlada pelo governo colombiano. Em meados do mês de agosto na Cúpula da Amazônia o presidente colombiano Gustavo Petro lacrou na mídia passapanista emparedando a Petrobras e o governo brasileiro acerca da prospecção de petróleo na margem equatorial do continente sul-americano. Desde então, a Ecopetrol anunciou a expansão de suas operações na região amazônica. Aparentemente não passou pela cabeça dos próceres da mídia passapanista para lacrador que o presidente colombiano não quer a competição da Petrobrás. Enfim, a alternativa ao petróleo brasileiro está garantida: os países membros da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) não teriam nenhuma dificuldade em suprir a oferta frustrada pelo Brasil.

Desde a fundação de Brasília muita gente desqualificada subiu a rampa do palácio do Planalto. Apenas um ser humano, entretanto, desceu a estrutura de mármore que dá acesso à sede do poder executivo do Brasil virando cambalhotas. O pentacampeão e contador de causos do futebol Marcos Vampeta, do alto da sua sabedoria, sempre recomendou cautela no trato social de indivíduos com sangue nos olhos. Vampeta usava como exemplo o futebolista Freddy Rincon, grande meio campista da seleção colombiana. Não importa a estirpe: imperialista, colonialista, terrorista, fascista ou comunista. Países não têm amigos, somente interesses. Nos acordos climáticos nossos parceiros comerciais irão todos negociar com sangue nos olhos.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Carlos de Mathias Martins

Carlos de Mathias Martins

Carlos de Mathias Martins é engenheiro de produção formado pela Escola Politécnica da USP com MBA em finanças pela Columbia University. É empreendedor focado em cleantech.

Artigos relacionados

Imagem de capa A importância do "S" na estratégia ESG

Sustentabilidade

29 Fevereiro | 2024

A importância do "S" na estratégia ESG

Líderes têm o desafio de colocar o pilar social na ordem do dia. Nova pesquisa Latam mostra as oportunidades que começam com os próprios colaboradores

Denise Turco

5 min de leitura

Imagem de capa Como ESG e agressividade tributária influem em valuationAssinante

Sustentabilidade

19 Dezembro | 2023

Como ESG e agressividade tributária influem em valuation

Como o mercado se comporta, simultaneamente, em relação à agressividade tributária e às práticas de sustentabilidade das empresas? Uma análise de empresas listadas na B3 entre 2016 e 2021 sugere que, quanto maior a pontuação em ESG registrada pela organização, mais impostos ela recolhe. Faz parte do perfil dessas empresas evitar riscos fiscais e de reputação desnecessários. Leia o artigo campeão do Prêmio ESG - FAMA Investimentos

Jusceliany Rodrigues Leonel Correa, Valcemiro Nossa, Silvania Neris Nossa e Carlos Eduardo de Freitas
Imagem de capa Um rating ESG de gestores de ativos pode mudar tudoAssinante

Sustentabilidade

19 Dezembro | 2023

Um rating ESG de gestores de ativos pode mudar tudo

Mensurar as ações sustentáveis de uma empresa não é fácil, e isso às vezes acaba abrindo a porteira para o “greenwashing”. Mas é possível estimular que as organizações, de fato, transformem suas culturas e adotem boas práticas de ESG. Uma solução pode ser um novo índice de avaliação para gestores de ativos que leve em conta essa necessária mudança de paradigma. Leia o artigo vice-campeão do “Prêmio ESG - fama re.capital 2023”

Leonardo Augusto Dufloth
Imagem de capa A COP, as lentes e o maior dos dilemas

Sustentabilidade

01 Dezembro | 2023

A COP, as lentes e o maior dos dilemas

A prestação de contas da Conferência do Clima de Dubai, que começou ontem, vai deixar claro: as coisas estão indo mal no combate ao colapso climático e o dilema principal está longe de ter sido enfrentado. Mas acompanhar a COP pode ser útil para acelerar conscientização e mudanças

Viviane Mansi

4 min de leitura