fbForças e drivers de mudança no futuro dos negócios e do trabalho MIT Sloan Review Brasil

Tendências

5 min de leitura

Forças e drivers de mudança no futuro dos negócios e do trabalho

Tendo como base os relatórios do WEF e da PwC, analiso como a automação, o envelhecimento populacional e as mudanças demográficas e ambientais irão impactar os negócios e o mundo do trabalho nos próximos anos

Colunista Luís Rasquilha

Luís Rasquilha

17 de Agosto

Compartilhar:
Artigo Forças e drivers de mudança no futuro dos negócios e do trabalho

Fruto das mudanças recentes originadas pelo advento da chamada 4ª revolução industrial, catalisada pela pandemia que nos assolou no último ano e meio, o mundo tem vivido uma constante busca de identificação dos cenários que melhor caracterizam o futuro.

Diferentes publicações estão nos ajudando a entender como as reflexões sobre o futuro precisam ser incorporadas em nossas realidades empresariais. De tudo o que tem sido publicado, gostaria de compartilhar alguns dos temas que considero mais relevantes para o futuro do trabalho e dos negócios, resumidos de publicações de grandes empresas e instituições que estão se dedicado ao tema.

Assim, divido algumas das reflexões mais relevantes sobre o tema, estruturado em dois blocos: (1) as forças motrizes que influenciam os negócios e (2) os drivers que condicionam o trabalho. As reflexões sobre o futuro dos negócios têm como fonte o relatório Workforce of Future 2019 da PWC. Já as análises sobre o trabalho têm como base o relatório Future of Jobs 2020 do Fórum Econômico Mundial e outras fontes de notícia e análise.

As grandes forças que moldarão o futuro dos negócios

1. Breakthroughts tecnológicos

Dianteiras da tecnologia da informação: automação, robótica e inteligência artificial já estão mudando a natureza e o número dos trabalhos disponíveis. A tecnologia tem o poder de melhorar a qualidade de vida, aumentar a produtividade, a expectativa de vida e libertar as pessoas para se focarem em funções não operacionais. No entanto, esse fenômeno também traz as ameaças ao nível social, político e econômico caso não se atinja o equilíbrio entre forças que são e serão cada vez mais afetadas por essa mudança.

2. Mudanças demográficas

Mudança no tamanho, distribuição e perfil etário da população mundial: com algumas exceções regionais, a população está envelhecendo, colocando pressão nos negócios, instituições e na própria economia. A expectativa de vida vai afetar modelos de negócio, ambições e custos de pensão. Trabalhadores mais velhos precisarão de novas competências para trabalharem mais tempo. Na esteira desse pensamento, o lifelong learning será a norma. Com o rápido envelhecimento, faltará mão de obra humana em várias economias. Com isso, haverá um impulso para a necessidade de aprimoramentos de automação e produtividade.

3. Urbanização em rápida expansão

Aumento significativo da população mundial se mudando para as cidades: até 2030, a ONU projeta que 4,9 bilhões de pessoas serão urbanas e, até 2050, a população urbana do mundo aumentará 72%. Hoje a maioria das grandes cidades já têm crescimentos superiores a uma grande parte dos países médios. Nesse novo mundo, as cidades serão importantes agentes de criação de novos negócios e empregos.

4. Mudanças no poder econômico global

Mudança de poder entre países desenvolvidos e em desenvolvimento: as nações em rápido desenvolvimento, particularmente os países com uma grande população em idade ativa, que adotarem um espírito de negócios, conseguirem atrair investimentos e melhorarem a sua educação são as que terão mais sucesso. Os países emergentes enfrentam o maior desafio à medida que a tecnologia aumenta o abismo com o mundo desenvolvido. Além disso, o desemprego e a migração continuarão a ser galopantes sem investimento significativo e sustentado. A erosão da classe média, a disparidade de riqueza e a perda de empregos devido à automação em larga escala aumentará o risco de agitação social nos países desenvolvidos.

5. Escassez de recursos e mudanças climáticas

Combustíveis fósseis esgotados, condições climáticas extremas, aumento do nível do mar e escassez de água: a demanda por energia e água deve aumentar em 50% e 40% respectivamente até 2030. Novos trabalhos em energias alternativas, engenharia de processos, design de produtos e gestão de desperdícios serão necessários para gerenciar e reutilizar os resíduos para lidar com essas necessidades. As indústrias tradicionais de energia, e os milhões de pessoas empregadas por elas, sofrerão uma rápida reestruturação.

Os drivers do futuro do trabalho

1. Aceleração da mudança tecnológica

• Novas tecnologias que substituem o trabalho humano e ameaçam o emprego de milhões de pessoas, como caminhões sem motorista;

• Novas tecnologias que expandem ou complementam o trabalho humano, por exemplo o uso de robôs na saúde;

• Mudanças súbitas nas necessidades dos clientes por novas tecnologias que resultam em novos modelos de negócio, novas formas de trabalhar ou inovação mais rápida de produto;

• Oportunidades habilitadas pela tecnologia para monetizar serviços gratuitos, como Amazon Web Services, ou ativos subutilizados, como dados de consumo pessoal.

2. Demanda crescente de habilidades

• Educação formal, aperfeiçoamento das habilidades e conhecimentos técnicos necessários para executar o trabalho;

• Escassez crescente de trabalhadores com capacidade de adaptação aos novos cenários profissionais.

3. Mudança nas expectativas dos funcionários

• Flexibilidade e autonomia de trabalho permitem melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal;

• Aspiração de trabalhar com propósito e com oportunidade de incuti-lo nos colegas e equipes.

4. Mudança na demografia do trabalho

• Necessidades de aumentar a participação da força de trabalho de populações sub-representadas, como idosos, mulheres, imigrantes e trabalhadores rurais.

5. Modelos de trabalho em transição

• Aumento do trabalho remoto;

• Crescimento de formas contingenciais de trabalho, como o trabalho de plantão, temporário e de terceirizados;

• Plataformas de freelancers e de compartilhamento de trabalho que fornecem acesso a talentos;

• Execução do trabalho por meio de ecossistemas complexos de parceiros envolvendo vários setores, regiões demográficas e empresas de diversos tamanhos.

6. Evolução do ambiente de negócio

• Nova regulamentação destinada a controlar o uso de tecnologia (ex: taxas de robô);

• Mudanças regulatórias que afetam níveis salariais, seja diretamente, como salários-mínimos ou direitos da previdência social, ou indiretamente (mais programas públicos de transferência de renda ou de renda básica universal, por exemplo);

• Mudanças regulatórias que afetam o fluxo transfronteiriço de bens, serviços e capital;

• Maior volatilidade econômica e política, à medida que os membros da sociedade se sentem abandonados.

Essas diferentes perspectivas se complementam e devem ser consideradas como um pensamento estratégico e de gestão para apoiar o preparo de empresas e colaboradores na gestão do futuro que já é presente.

Gostou do artigo escrito por Luís Rasquilha? Saiba mais sobre mudanças e tendências sobre o futuro do trabalho e dos negócios assinando nossas newsletters e ouvindo nossos podcasts na sua plataforma de streaming favorita

Compartilhar:

Colunista

Colunista Luís Rasquilha

Luís Rasquilha

CEO da Inova TrendsInnovation Ecosystem e professor da Fundação Dom Cabral (FDC), Hospital Albert Einstein e Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (ESALQ/USP).

Artigos relacionados

Imagem de capa As tendências comportamentais que prometem moldar os negócios em 2022

Business content

22 Fevereiro | 2022

As tendências comportamentais que prometem moldar os negócios em 2022

Relatório Fjord Trends 2022 aponta para o início de uma transformação comportamental. Ivan Lucchini, diretor executivo da Fjord, parte da Accenture Interactive, explica como acompanhar essas mudanças

Rodrigo Oliveira

6 min de leitura

Imagem de capa Superapps e gift cards: apostas para o varejo em 2022

Tendências

27 Dezembro | 2021

Superapps e gift cards: apostas para o varejo em 2022

Setor deve apostar em cartão presente e em aplicativos com inúmeras funcionalidades e serviços para reforçar estratégias de vendas e de consumo omnichannel

João Espíndola

4 min de leitura

Imagem de capa Comportamento do consumidor brasileiro é o que mais mudou na pandemia

Tendências

31 Agosto | 2021

Comportamento do consumidor brasileiro é o que mais mudou na pandemia

Brasil lidera o perfil de “consumidor reimaginado”, que adquire produtos e serviços com base em fatores que vão muito além do custo-benefício

Rodrigo Oliveira

4 min de leitura