fb

Recrutamento e seleção

4 min de leitura

Nas entrevistas, enxergue o que há sob as 14 pontas do iceberg

Você vai se candidatar a um novo emprego? Saiba procurar a parte submersa das geleiras – daquilo que realmente pode ser uma encrenca

Colunista Augusto Dias Carneiro

Augusto Dias Carneiro

19 de Junho

Compartilhar:
Artigo Nas entrevistas, enxergue o que há sob as 14 pontas do iceberg

Hoje em dia, o descompasso cultural entre profissional e empresa é a principal causa de fracasso nos recrutamentos. Como você, na posição de candidata, pode minimizar esse risco?

Culturas corporativas por sua própria natureza raramente são verbalizadas. Mas esse iceberg tem 14 pontas, algumas das quais você pode enxergar pela internet, conversando com pessoas que trabalham/trabalharam lá, e/ou durante as suas entrevistas.

Hoje eu vou listar estas 14 pontas para você. E, no final de cada item, farei uma sugestão de pergunta para fazer durante a entrevista. Claro que você não vai descobrir tudo, nem fazer todas as perguntas, e menos ainda receber respostas satisfatórias para todas elas. Mas lembre-se de que fazer esses tipos de perguntas demonstra que você é séria e profissional e que está grandemente interessada na posição!

1. A estrutura organizacional da empresa. Ela é hierárquica ou matricial? (Ou, quem sabe, teal, das que adotam a autogestão?) A estrutura reflete a estratégia. A quantidade de níveis hierárquicos diz algo sobre se “Quem Manda” prefere ficar perto ou longe da tropa. Peça previamente para seu entrevistador trazer um organograma impresso para a entrevista, porque você quer entender onde esta posição se localiza na estrutura, e com quem você vai interagir mais.

2. A maneira como a empresa delega autoridade Pergunte se existe descompasso entre responsabilidade e autoridade. A pessoa mais próxima do problema normalmente tem poderes para resolvê-lo? Pergunte também (preferencialmente com o organograma na frente de vocês) sobre quais são os principais desafios da posição em jogo, e de quem você depende para resolvê-los.

3. O nível de organização interna da empresa. Pense em políticas, rotinas e procedimentos. Claro que aqui demais pode ser tão ruim quanto de menos. Pergunte quais são os manuais pertinentes para o bom desempenho do seu trabalho. Eles não vão deixar você vê-los na fase de entrevistas, mas a maneira como responderão a esta sua pergunta pode gerar informação valiosa!

4. Os tipos de variáveis críticas de desempenho em que a empresa focaliza. Pergunte como o seu desempenho futuro será medido.

5. A forma como a empresa seleciona as pessoas. Quantas entrevistas são feitas? Quantos entrevistadores? A ênfase é em substantivos e berbos (competências e habilidades) ou em adjetivos e advérbios (valores, visão, convergência com a cultura)? No final, quem decide? Qualquer pergunta aqui sobre processo é válida; afinal, você é candidata!

6. A forma com que a empresa remunera as pessoas. Uma empresa que paga o variável em dinheiro e privilegia a remuneração variável sobre a fixa emite uma mensagem clara sobre a importância de atingir metas de curto prazo. Uma empresa que paga o variável em dois ou três anos, e parte dele em ações, quer que as pessoas enxerguem o médio e longo prazos. E uma empresa com fixo alto e variável baixo provavelmente prefere ter rotatividade baixa a pessoas talentosas a bordo.

7. A empresa privilegia o individualismo ou o coletivismo. Podemos saber isso pela forma como as pessoas Decidem: Comando? Consenso? Votação? Delegação? Perguntas sobre isso são difíceis em entrevista, mas não custa tentar. E se a entrevistadora mencionar os principais Desafios (pergunta 2 acima) da posição, pergunte como funcionam as discussões internas sobre como lidar com eles.

8. A forma com que a empresa interage com seus clientes. Pergunte se existem pesquisas de satisfação de clientes, qual é o NPA (se houver).

9. A maneira como a empresa lida com incerteza. Ela dimensiona, planeja e encara o que é incerto e duvidoso? Ou faz de conta que a incerteza não existe? Esta também é difícil de converter em pergunta de entrevista, mas pode acontecer se a resposta ao item 7 acima for caprichada.

10. A maneira como a empresa trata seus colaboradores. Quem telefona para quem depois das 19:00? Ou antes das 8:00? Férias marcadas são habitualmente canceladas? Provoque este tema com a pergunte: Esta posição exige dormir em uma cama de hotel 100 noites por ano?

11. A forma com que a empresa faz reuniões. Que % das reuniões resulta em nova reunião, mesmo tema? Algumas empresas tem limite mensal de horas em reunião/ conference call, onde o próprio Outlook da pessoa recusa a reunião se o número de horas excede 30 nos 30 dias anteriores à data proposta. Pergunte se existe algo assim na empresa.

12. A forma com que empresa lida com crises, internas e externas. Como que a empresa se mobiliza para lidar com a crise? Uma crise no passado de uma empresa pode ser uma coisa boa . As pessoas falam com desembaraço sobre crises do passado? Empresa que tem Porta-Voz provavelmente tem algo a esconder. Pergunte se você terá treinamento para lidar com a mídia. Ligue o sinal vermelho se a resposta for “Não, nosso porta-voz é pago pra lidar com a mídia”.

13. A forma como a empresa demite, e como ela trata seus ex-funcionários. Uma empresa que tem por política não dar referências (inclusive as positivas) sobre seus ex-funcionários é provavelmente suspeita. Pergunte o que houve com seu antecessor na posição. Descubra na sua rede de contatos se alguém conhece alguém que já trabalhou lá (e fale com essa pessoa).

E por último, mas não menos importante:

14. Se a empresa acaba de passar por uma fusão ou aquisição. Pergunte que partes de cada uma das duas culturas sobreviverão – não esqueça de perguntar.

LEIA TAMBÉM: Perguntas que quase nenhum candidato faz em entrevistas de recrutamento

Compartilhar:

Colunista

Colunista Augusto Dias Carneiro

Augusto Dias Carneiro

Coach, headhunter, autor, mediador e board member, Augusto Dias Carneiro é sócio da Zaitech Consultoria. Autor de Guia de Sobrevivência na Selva Empresarial.