fb

Sustentabilidade

2 min de leitura

Os impactos da COP27 no setor imobiliário

As empresas do segmento precisam se preparar para uma nova jornada em que a natureza também deverá ser entendida como um cliente

Bruno Malvezi

20 de Fevereiro

Compartilhar:
Artigo Os impactos da COP27 no setor imobiliário

A COP27 (27ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas) realizada em novembro do ano passado, em Sharm El Sheich, no Egito, tem o potencial de impactar de modo significativo o mercado imobiliário. Isso porque as metas estabelecidas na conferência visam reduzir as emissões de gases de efeito estufa e promover a energia limpa, o que pode levar a mudanças nos padrões de construção e no uso de energia em edifícios, mudando em caráter definitivo a estratégia de desenvolvimento de novos projetos nas empresas do segmento.

Hoje, o setor de imóveis responde por 40% da emissão global de carbono, sendo que 28% são de energia usada para aquecer, resfriar e levar eletricidade aos edifícios, e 11% são geradas a partir de matéria-prima.

Evidentemente, uma das principais áreas de impacto será na construção de novos edifícios. A COP27 pode levar a exigências mais rigorosas para a utilização de materiais e métodos mais eficientes em termos energéticos, sendo ambientalmente menos danosos que os edifícios ordinários atuais. Isso pode incluir técnicas de construção passiva, com forte influência da nova arquitetura biofílica, que busca conectar os espaços com a natureza, promovendo bem-estar e conforto para seus ocupantes, como a construção de edifícios voltados para maximizar a luz solar natural e reduzir a necessidade de iluminação artificial, e a instalação de sistemas de captação de energia solar, água de chuva e até mesmo micro estações de tratamento de resíduos.

Além disso, a COP27 tem grande potencial para direcionar reformas em edifícios existentes, impondo exigências e melhorias para tornarem-se, de fato, eficientes e menos negativamente impactantes nas estruturas naturais em que são construídos.

Outra forma pela qual a COP27 pode afetar o mercado imobiliário é através da criação de novos incentivos para desenvolvimento de projetos imobiliários que promovam a energia limpa e a redução de emissões de gases de efeito estufa. Seguindo esta tendência, alguns agentes financeiros já estão elaborando programas de financiamento, créditos fiscais e outros estímulos para a construção de edifícios “limpos”. Em geral, a COP27 tem condições de mudar significativamente a forma como os edifícios são projetados, construídos e operados, influenciando todo o longo ciclo do mercado imobiliário.

No entanto, é importante observar que ainda é cedo para saber exatamente como serão implementadas as metas estabelecidas na conferência, o que não afasta a necessidade das empresas do segmento se prepararem para uma nova jornada em que a natureza também deverá ser entendida como um verdadeiro cliente.

Compartilhar:

Autoria

Bruno Malvezi

Bruno Malvezi é CEO do Grupo Impper.

Artigos relacionados

Imagem de capa A importância dos relatórios ESG vai aumentar – e muito

Sustentabilidade

15 Março | 2024

A importância dos relatórios ESG vai aumentar – e muito

Impactos das novas diretrizes de relatórios da UE ultrapassarão as fronteiras da Europa, exigindo que empresas relatem sobre impactos materiais

Brian Tomlinson e Lucy Godshall

9 min de leitura

Imagem de capa A importância do "S" na estratégia ESG

Sustentabilidade

29 Fevereiro | 2024

A importância do "S" na estratégia ESG

Líderes têm o desafio de colocar o pilar social na ordem do dia. Nova pesquisa Latam mostra as oportunidades que começam com os próprios colaboradores

Denise Turco

5 min de leitura

Imagem de capa Como ESG e agressividade tributária influem em valuationAssinante

Sustentabilidade

19 Dezembro | 2023

Como ESG e agressividade tributária influem em valuation

Como o mercado se comporta, simultaneamente, em relação à agressividade tributária e às práticas de sustentabilidade das empresas? Uma análise de empresas listadas na B3 entre 2016 e 2021 sugere que, quanto maior a pontuação em ESG registrada pela organização, mais impostos ela recolhe. Faz parte do perfil dessas empresas evitar riscos fiscais e de reputação desnecessários. Leia o artigo campeão do Prêmio ESG - FAMA Investimentos

Jusceliany Rodrigues Leonel Correa, Valcemiro Nossa, Silvania Neris Nossa e Carlos Eduardo de Freitas
Imagem de capa Um rating ESG de gestores de ativos pode mudar tudoAssinante

Sustentabilidade

19 Dezembro | 2023

Um rating ESG de gestores de ativos pode mudar tudo

Mensurar as ações sustentáveis de uma empresa não é fácil, e isso às vezes acaba abrindo a porteira para o “greenwashing”. Mas é possível estimular que as organizações, de fato, transformem suas culturas e adotem boas práticas de ESG. Uma solução pode ser um novo índice de avaliação para gestores de ativos que leve em conta essa necessária mudança de paradigma. Leia o artigo vice-campeão do “Prêmio ESG - fama re.capital 2023”

Leonardo Augusto Dufloth
Imagem de capa A COP, as lentes e o maior dos dilemas

Sustentabilidade

01 Dezembro | 2023

A COP, as lentes e o maior dos dilemas

A prestação de contas da Conferência do Clima de Dubai, que começou ontem, vai deixar claro: as coisas estão indo mal no combate ao colapso climático e o dilema principal está longe de ter sido enfrentado. Mas acompanhar a COP pode ser útil para acelerar conscientização e mudanças

Viviane Mansi

4 min de leitura