fb

Diversidade e inclusão

3 min de leitura

Polos que se atraem e se complementam

A equidade de gênero se tornou essencial para a sobrevivência de negócios, marcas e empresas. Neste artigo, aponto como líderes e equipes podem encontrar o equilíbrio com colaboradores de diferentes gêneros

Colunista Margareth Goldenberg

Margareth Goldenberg

13 de Abril

Compartilhar:
Artigo Polos que se atraem e se complementam

Em “Super-homem”, Gilberto Gil canta: “um dia vivi a ilusão de que ser homem bastaria. Que o mundo masculino tudo me daria, do que eu quisesse ter. Que nada, minha porção mulher que até então se resguardara, é a porção melhor que trago em mim agora. É o que me faz viver”.

Na vida e nos negócios o embate “homens versus mulheres” saiu de moda faz tempo e nunca trouxe bons resultados, afinal, era uma farsa. Equipes produtivas, que atingem e ultrapassam metas, são as que conseguem chegar ao equilíbrio, com a representatividade de gênero justa.

Claro que homens e mulheres possuem algumas habilidades mais presentes, afinal, a vida e a nossa cultura nos moldam para que possamos dar conta dos muitos recados. Mas não é uma competência ou outra que define o time. A junção do todo pode, realmente, levar ao sucesso.

A postura feminina mais empática encaixa-se muito bem à capacidade masculina de ser objetivo e chegar direto ao ponto. A busca pelo poder, normalmente endereçada aos homens, tem tudo a ver com a resiliência, comumente vista como característica das mulheres. Nada disso funciona isoladamente.

Dois polos

As equipes bem equilibradas entre os dois polos são terrenos férteis para a formação de lideranças 4.0: completas, inclusivas e que valorizaram e reconhecem os seus colaboradores. Além disso, esse perfil de liderança garante espaço para o desenvolvimento da equipe como um todo, independentemente do gênero, raça, orientação sexual, idade e condição física das pessoas que integram o time.

Acredito, de fato, na complementaridade, nos olhares diferentes para a mesma situação. Nas soluções inovadoras permeadas de características diversas. Naquilo que envolva todo mundo e não deixe ninguém de fora. Na inclusão que percebe a presença dos vieses inconscientes, discute sobre eles e toma atitudes intencionais para superá-los. É o justo e o certo a buscar nas relações profissionais, de negócios e na sociedade.

Vieses culturais

Ao falar de equidade de gênero, vale reforçar, me refiro a todas as mulheres: brancas, pretas, pardas, lésbicas, trans, com e sem deficiência, jovens e seniores. E sabemos que a experiência e as barreiras são diferentes para cada mulher.

Claro que essa tomada de consciência não acontece de um dia para o outro. Faz parte de um processo de transformação cultural, de mindset. Essa mudança muitas vezes é longa e ganha força quando se tem uma aliança com altas lideranças em uma empresa, por exemplo.

No meu trabalho de consultoria, e à frente da gestão executiva do Movimento Mulher 360, tenho me dedicado a quebrar a distância entre os polos e fomentar a equidade nas empresas, em todos os escalões. Uma boa parte das mais de 90 corporações que acompanho já avançaram muito nesse sentido e outras estão bem encaminhadas.

Entretanto, todas as corporações entenderam o quanto se ganha quando a equidade está, de fato, enraizada no negócio. As pesquisas também mostram essa realidade, que é global. A pauta ESG não me deixa mentir.

ALERTA: MUDANÇAS EM CURSO

Em resumo, a sociedade está de olho nas posturas e causas das marcas. O que era “mimimi” se tornou vital para a sobrevivência dos negócios. As marcas e empresas que não priorizarem a equidade não irão sobreviver a estes tempos e viverão solitárias, no limbo do esquecimento.

Gostou do artigo do Margareth Goldenberg? Saiba mais sobre equidade de gênero e outros temas assinando gratuitamente nossas newsletters e ouvindo nossos podcasts na sua plataforma de streaming favorita.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Margareth Goldenberg

Margareth Goldenberg

Psicóloga e psicopedagoga, especialista em direitos humanos e mundo corporativo. Há 27 anos atua nos temas de responsabilidade social, educação, diversidade e equidade de gênero em grandes corporações. Gestora Executiva do Movimento Mulher 360 e CEO na Goldenberg Responsabilidade Social e Diversidade, atua ainda como consultora estratégica e tática em diversidade e inclusão em várias empresas como Santander, Vivo, Roche, Eurofarma, Magazine Luiza, Globo, Suzano, Raia Drogasil, Fiat Chrysler, Gol , DPSP e Comgás, dentre outras.

Artigos relacionados

Imagem de capa O que o "dinheiro inteligente" diz sobre CEOs negros

Diversidade e inclusão

22 Março | 2024

O que o "dinheiro inteligente" diz sobre CEOs negros

Nos EUA, investidores institucionais já respondem mais positivamente à nomeação de CEOs negros do que o mercado de ações mais amplo e até aumentam suas posições acionárias. Será que isso será realidade um dia no Brasil?

Curtis L. Wesley II, Hermann A. Ndofor, Enrica N. Ruggs e Derek R. Avery

7 min de leitura

Imagem de capa Nudges pró-diversidadeAssinante

Diversidade e inclusão

01 Fevereiro | 2024

Nudges pró-diversidade

Pesquisas mostram que, para alterações mais profundas no ambiente de trabalho, times que optam por começar pelo treinamento individual antes do coletivo têm melhores resultados

Paola Cecchi Dimeglio