fb

Report Brasil

8 min de leitura

É hora de regulamentar a inteligência artificial no Brasil?

O País sempre teve um bom histórico de regulamentação de tecnologias emergentes. Até agora

Colunista Fabro Steibel

Fabro Steibel

14 de Julho

Compartilhar:
Artigo É hora de regulamentar a inteligência artificial no Brasil?

O Congresso está avançando na regulamentação da inteligência artificial, e os impactos disso para o desenvolvimento econômico e social são enormes. Já existe um projeto de lei aprovado na Câmara, e outro no Senado segue a todo vapor. Agora que o Parlamento Europeu aprovou o IA Act, o ritmo vai só acelerar. Por isso, é urgente compreender melhor as escolhas que o Congresso está fazendo sobre a tecnologia, principalmente se quisermos um Brasil inclusivo e competitivo no futuro.

Vale lembrar que o País tem bom histórico de regulamentar tecnologias emergentes. Foi um dos pioneiros a criar regras para o uso da internet. É precursor no uso de blockchain no governo e na criação de moedas digitais pelo Banco Central. O Brasil é um dos maiores países em fornecimento de dados abertos e APIs, sem falar nas indústrias de software que se beneficiam da cultura aberta que adotamos desde os anos 1990.

Em regulamentação de tecnologia, o País é um lugar admirado, referência internacional. Mas o caminho a ser tomado para a inteligência artificial merece nossa atenção. Os ventos são outros, até porque o Brasil não é um líder no assunto. Em empresas e aplicações da tecnologia, quem está na frente são aqueles que têm mercado interno de chips e processadores, o que faz das big techs estrangeiras líderes favoritas. Em regulamentação da tecnologia, não seremos pioneiros, pois a União Europeia já aprovou o IA Act, que passa por ajustes finais antes de ser implementado.

Por aqui, temos alguns casos de IA de sucesso, como no Judiciário e no setor financeiro, mas precisamos de mais. O Congresso está avançado. A Câmara aprovou sua proposta ainda em 2021. O Senado lançou uma comissão de juristas para abordar o tema e o presidente da casa já referendou o texto. Ainda há muito chão pela frente, mas se compararmos o que o Brasil produz de tecnologia com o que o Brasil regulará, há um descompasso.

Existem pontos de atenção importantes. Precisamos prevenir e incentivar o uso de IA no País, mas o foco está muito na prevenção e pouco no incentivo. Esse é o ponto central para pensar no Brasil do futuro. Queremos ser rabo de bagre ou barbatana de tubarão? Queremos evitar concentração de mercado ou fomentar um ecossistema saudável de aplicações?

O primeiro ponto de atenção é saber que o Senado escolheu a Europa como norte a ser copiado. Fizemos caminho semelhante quando regulamentamos a proteção de dados pessoais, inspirando a nossa Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) a partir da lei europeia. A ideia não é ruim, porque cria simbioses. Mas há um ponto de alerta.

Nos anos da regulamentação de proteção de dados, a Europa nadava de braçada. Os Estados Unidos eram contra um regramento amplo, favorecendo um sistema setor a setor. A China ainda não era uma potência digital, e outros países chegaram tarde no debate. O resultado disso é conhecido como um exemplo do “Efeito Bruxelas”: o padrão adotado na Europa se tornou referência para outros países, inclusive o Brasil.

Em IA, os ventos são outros. Em 2023, a regulamentação da União Europeia enfrenta forte concorrência de Estados Unidos, Japão, China, Reino Unido e mais de uma dezena de países que se prepararam e implementaram suas estratégias de inteligência artificial. Podemos olhar para Europa e nos inspirar, mas há outros referenciais a serem considerados.

O que significa olhar para Europa ao regulamentar a IA? Antes de tudo, é promover um regramento rápido, incentivado pelo pânico moral. Esse pânico está nas capas de revistas e jornais e em artigos científicos, o que faz parte do jogo. Há riscos, mas há pouca fala sobre os benefícios, dando fôlego ao medo como urgência de legislar. A ideia aqui é prevenir para não remediar, caminhos que trilhamos com sucesso antes, como na regulamentação de bombas nucleares ou de clonagem genética. Prevenir é colocar barreiras antes dos problemas se tornarem endêmicos.

Na prática, o IA Act cria quatro grandes grupos de usos de tecnologias, dosados na forma de risco. Um é o das aplicações que são tão perigosas que já aparecem na lista de usos banidos. Ali nem moratória se aplica: é riscar do mapa e ponto final. O segundo tem as aplicações de alto risco. Esses usos podem existir, mas exigem elevada carga de cuidados. Os dois outros grupos englobam a maior parte das aplicações: um é o de atenção e o outro é o que contém as aplicações que, se possível, devem ser até incentivadas.

Adaptações

O debate legislativo no Senado se inspirou no caminho europeu de gradação de risco, mas apimentou o conceito. Criamos grupos de aplicações banidas e de alto risco, mas na redação escolhemos fazer diferente. A forma como o IA Act insere usos em cada grupo é taxativa: existem os grandes temas e exemplos limitados de usos regulados – já aqui a forma como escrevemos é ilustrativa: há temas e exemplos, mas usamos a expressão "tais como" para deixar a porta aberta para proatividade. Na Europa há uma lista de compras e ponto final. Aqui há uma lista de supermercado, mas a busca por coisas novas na prateleira é incentivada.

Outro exemplo da adaptação que fizemos: um dos remédios que a Europa encontrou para evitar a concentração de mercados futuros é incentivar os sandboxes. Esse é um mecanismo que favorece o nascimento de modelos de negócio, com ajuda do Estado. Em vez de punir, incentiva-se o aprendizado conjunto, em ambiente de trocas entre governo e mercado.

No IA Act, sandboxes aparecem como obrigações dos governos, e há previsão para que pequenas e médias empresas estejam envolvidas nesse processo. Já por aqui invertemos as palavras. O governo não tem obrigação de criar sandboxes, cabendo à sociedade civil fazê-lo (e ao governo, se quiser, autorizar ou não que se faça). Sobre incentivos a novos modelos de negócio de pequenas e médias empresas, a lei não diz nada.

Essas são escolhas que o Congresso está fazendo nesse momento, e que têm consequências sobre o futuro do País. Estamos olhando a Europa, e fazendo vista grossa para como outros países estão regulando. Estamos restringindo aplicações de IA com incentivo à interpretação expansiva (em vez de sermos taxativos ao restringir o que é conhecido). Estamos dando ao Estado a opção de ajudar ou não a inovação, em vez de obrigá-lo a favorecer a indústria nacional.

Os resultados dessas escolhas são muitos: entre o caminho de prevenir e inovar (somando os dois), estamos favorecendo a prevenção (deixando a inovação para depois). Entre o caminho de legislar ou executar, favorecemos a implementação da lei (deixando o debate legislativo futuro como opção).

A Europa sabe bem o que procura: quer a soberania digital, conceito definido em diversas estratégias, e refletida em mais de uma dezena de marcos regulatórios, muitos deles já repercutindo aqui, como o Digital Services Act (DSA) e o Digital Market Act (DMA). Já o Brasil pode estar arriscando a sua soberania digital, adotando um padrão “internacional” para uma indústria que aqui é ainda incipiente, seja por não fabricarmos chips, seja porque nunca implementamos estratégia de inteligência artificial ou porque não investimos o suficiente em pesquisa.

Os Estados Unidos, a China e o Japão não estão copiando a Europa. Esses países estão criando regras setoriais próprias, favorecendo o mercado interno ou se dedicando a temas específicos, como a IA generativa. Estamos olhando pouco para esses exemplos.

O que as escolhas do Congresso significam para o desenvolvimento econômico e social por aqui? A inteligência artificial é uma dessas tecnologias que têm potencial disruptivo. A sua arquitetura e o seu jeito de ser são tão particulares que leis, mercados e normas sociais passam a gravitar ao seu redor. Isso faz da regulamentação dessa tecnologia uma urgência, e por isso devemos prestar mais atenção às escolhas que vêm sendo tomadas. A boa notícia é que o momento de intervir é agora. O debate no Congresso está começando. O Senado vai tramitar o projeto por comissões para tratar do assunto, e na Câmara é certo que existem visões antagônicas que gerarão novas oportunidades de incidência. Precisamos de mais vozes e mais argumentos, e precisamos ter mais claras as escolhas que estamos fazendo, no micro e no macro.

O Brasil, há muito tempo, é um caso a ser seguido quando falamos de regulamentação e aplicações de tecnologias emergentes. Nossa identidade "tropicália" e o debate democrático aberto geraram bons resultados (basta comparar com outros países, para entender que o que fizemos por aqui importa).

Enquanto isso, após o voto no Parlamento Europeu, mais de 150 empresas da Europa publicaram uma carta pedindo cuidado com os caminhos sendo tomados no Velho Mundo. O medo delas é que a inovação e o desenvolvimento sejam prejudicados. Por aqui, precisamos fazer igual, e trazer mais vozes para o debate, principalmente do setor privado e da comunidade técnica. Essas são as vozes que permitem que a prevenção e a inovação sejam aliadas, e não caminhos excludentes.

Quadro 1

Fonte: Atlantic Council.

Quadro 2

Fonte: Atlantic Council.

Leia também: A metamodernidade chega às empresas. E daí?

Artigo publicado na MIT Sloan Management Review Brasil nº 15.

Compartilhar:

Autoria

Colunista Fabro Steibel

Fabro Steibel

Diretor-executivo do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS-Rio), Fabro Steibel é membro do Conselho Global do Fórum Econômico Mundial, pesquisador independente da Open Government Partnership, fellow da Organização dos Estados Americanos (OEA) para governos abertos, professor da inovação da ESPM e membro do conselho editorial da MIT Sloan Review Brasil.

Artigos relacionados

Imagem de capa É hora de regulamentar a inteligência artificial no Brasil?

Report Brasil

14 Julho | 2023

É hora de regulamentar a inteligência artificial no Brasil?

O País sempre teve um bom histórico de regulamentação de tecnologias emergentes. Até agora

Fabro Steibel

8 min de leitura

Imagem de capa A metamodernidade chega às empresas. E daí?Assinante

Report Brasil

30 Junho | 2023

A metamodernidade chega às empresas. E daí?

O conceito surgiu a partir do cansaço com a lógica da pós-modernidade e da necessidade de se refletir sobre soluções para desafios da humanidade. Mas como ele se aplica às organizações?

Álvaro Machado Dias e Renato Meirelles
Imagem de capa As três inteligências da era da IAAssinante

Report Brasil

30 Junho | 2023

As três inteligências da era da IA

Para navegarmos melhor na incerteza, a inteligência artificial tem de ser encarada como parte de uma tríade

Silvio Meira, André Neves, Rui Berlfort, Filipe Calegario e Vinícius Garcia
Imagem de capa Metamodernidade.  Três inteligências. Gestão de risco ideal. Regulação de IA.Assinante

Report Brasil

30 Junho | 2023

Metamodernidade. Três inteligências. Gestão de risco ideal. Regulação de IA.

Os assuntos que estão chamando a atenção da comunidade executiva brasileira aparecem aqui

Redação MIT Sloan Review Brasil
Imagem de capa Em busca do sistema de gestão de risco perfeitoAssinante

Report Brasil

30 Junho | 2023

Em busca do sistema de gestão de risco perfeito

Conheça a gênese de um modelo, utilizado por um trader brasileiro, que considera os fatores não lineares

Marcos Eduardo Elias
Imagem de capa Um marketing para um mundo figitalAssinante

Report Brasil

30 Maio | 2023

Um marketing para um mundo figital

Conheça o conjunto de técnicas e metas que permitirão construir o marketing do futuro, adequado ao novo contexto – não só físico, mas também digital e social – e baseado em escolhas relativas a ambiente, estratégia, interação, operação e unificação

Rosário Pompéia e Silvio Meira